Colégio Monteiro

Home | Blog | Artigo

O emocional dos alunos afeta o rendimento dos estudos

O emocional dos alunos afeta o rendimento dos estudos

Por 0 comentários

Data: 23 de Novembro 2020

 Começou como tendência, virou moda e, hoje, falar sobre saúde mental e emocional é muito comum. Antes, as conversas sobre esses temas estavam concentradas no ambiente profissional, em que a preocupação era o bem-estar do funcionário. De startups a grandes corporações, as práticas para manter o equilíbrio emocional dos trabalhadores geraram resultados tão bons que se começou a pensar nos efeitos que elas teriam fora dali, em locais como a própria casa e o ambiente educacional.

Cuidar da saúde mental é tão importante quanto cuidar da saúde física; afinal, para que o desenvolvimento do ser humano seja completo, não basta que sua fisiologia funcione perfeitamente, é preciso que os pensamentos sejam de qualidade, possibilitadores, positivos. Quanto mais a mente supera o medo, a ansiedade e outras ideias negativas, mais abre espaço para aprender e se desenvolver. E, quanto antes aprendermos isso, melhor. É por esse motivo que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) destacou a importância da habilidades socioemocionais em sua lista de competências.

 

Por que a escola é um bom lugar para trabalhar a saúde emocional?

Depois do ambiente familiar, a escola é o próximo espaço de convivência da criança. Ela entra na escola levando as próprias opiniões e sentimentos e encontra outras crianças com ideias, reações e emoções diferentes das suas. Para que haja equilíbrio entre as relações, é preciso ter:

  • Empatia;
  • Paciência;
  • Boa comunicação e,
  • Respeito pelas diferenças. 

É por isso que o ambiente escolar é ótimo para que a criança perceba a importância de desenvolver sua saúde emocional e comece a colocar isso em prática.

E não é só o aluno que sai ganhando com esse aprendizado. Com vários estudantes desenvolvendo essas habilidades socioemocionais, o ambiente escolar, o relacionamento e o aproveitamento do ensino também melhoram. A comprovação vem por meio científico: uma pesquisa do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA, na sigla em inglês), de 2015, avaliou o desempenho escolar de 540 mil estudantes de 72 países e percebeu que escolas com alta incidência de bullying tendem a apresentar notas mais baixas do que aquelas que procuram combater essa prática dentro e fora de sala de aula.

 

Por outro lado…

Se uma situação complicada influencia negativamente, por que o oposto não influenciaria de forma positiva? Para 79% dos entrevistados em uma pesquisa da Microsoft, divulgada em 2019, as emoções positivas são “muito” ou “extremamente” importantes para o sucesso acadêmico. Para 75% deles, esse bom resultado é alavancado quando há sentimento de comunidade e pertencimento.

 

O que o colégio pode fazer?

É importante ficar de olho, perceber como está ambiente e o que pode ser melhorado. Um bom colégio promove um o fortalecimento do relacionamento entre equipe, familiares e alunos. Mais do que isso: é flexível e está aberto a mudanças que ajudarão a aprimorar o acolhimento, a comunicação, o envolvimento e o sentimento de pertencimento de todos da comunidade escolar. O ideal é encarar os conflitos como uma oportunidade de crescimento. 

            

Compartilhe

0 comentários

Quer receber
novidades e promoções?

Conecte-se e receba primeiro as
novidades e promoções

WhatsApp Agende sua visita