Colégio Monteiro

Home | Blog | Artigo

Quais cuidados os pais devem tomar no retorno às aulas

Quais cuidados os pais devem tomar no retorno às aulas

Por 0 comentários

Data: 23 de Novembro 2020

O retorno às aulas presenciais tem sido cada vez mais discutido. Seja na mídia, seja nos grupos de WhatsApp, o tema gera muitas dúvidas por parte dos pais, que, ao mesmo tempo em que precisam do apoio da escola, também têm receio a respeito da segurança da saúde de seus filhos. Por isso, preparamos algumas dicas que podem ajudar as famílias a lidar com essa situação da maneira mais segura o possível.

Retorno às aulas: quais cuidados os pais devem tomar?

Confira tudo o que você precisa saber para que seu filho volte a frequentar a escola com segurança

A cada dia de pandemia que passa, a discussão sobre o retorno às aulas presenciais tem se tornado cada vez mais central de debates, seja na mídia, seja nos grupos de WhatsApp. Fato é que o tema levanta muitas dúvidas por parte dos pais, que, ao mesmo tempo em que precisam desse apoio por parte da escola, também têm receio a respeito da segurança da saúde de seus filhos.

Para auxiliar neste momento, separamos algumas dicas que podem ajudar a lidar com situação da maneira mais segura o possível. Confira!

Covid-19

Antes de qualquer orientação sobre o retorno às aulas, é importantíssimo saber do que se trata o novo coronavírus. Pois bem, a transmissão do vírus SARS-CoV2 ocorre quando uma pessoa infectada tem contato com outra pessoa por meio de:

  • Toque do aperto de mão;
  • Gotículas de saliva;
  • Espirro;
  • Tosse;
  • Catarro;
  • Objetos ou superfícies contaminados, como celulares, mesas, maçanetas, brinquedos e teclados de computador, etc.

É importante lembrar que as crianças não estão imunes à Covid-19, e a grande diferença delas em relação aos adultos é uma maior incidência de casos assintomáticos. Apenas em 2% dos casos os pequenos adoecem.

Ainda assim, a gravidade da doença parece ser menor entre crianças do que em outras faixas etárias. Uma pesquisa divulgada pela revista médica “Lancet” analisou que menos de 0,1% das crianças infectadas evoluíram para casos mais graves.

Cuidados no acesso às escolas

Um dos momentos mais delicados do retorno às aulas com certeza será o protocolo de acesso às escolas. Períodos de entrada e saída de alunos tendem a ser os mais delicados. Vale lembrar que cada escola, município e estado definirão seus próprios regulamentos, mas, em linhas gerais, as dicas que apresentamos aqui se baseiam nas orientações que temos feito às instituições parceiras.

Recomendamos que os responsáveis não aguardem os alunos dentro da escola, evitando a circulação de pessoas que não sejam absolutamente essenciais para o funcionamento deste ambiente. Procure também manter a distância de dois metros das pessoas quando encontrá-las nos acessos à escola, além de respeitar as marcações quando houver, para evitar aglomerações.

Outro ponto importante é o respeito à dinâmica de checagem diária de temperatura, na entrada e na saída do ambiente escolar. É uma exigência e serve para a sua proteção e da sua família.

Em nenhuma hipótese seu filho deve ir para a escola se ele estiver apresentando quadro febril ou qualquer tipo de sintoma gripal (tosse, espirros, coriza, etc.), mesmo que alérgicos. O recomendado nestes casos é o isolamento social do seu filho até que ele tenha passado pelo teste para a Covid-19 com resultado negativo ou, em caso de infecção, já não apresente sintomas ou não esteja mais na fase de transmissão da doença.

Recomendações que você deve passar para o seu filho

Para assegurar que o distanciamento social seja mantido dentro das escolas, no retorno às aulas, as escolas têm se preparado da seguinte maneira:

  • Criação de rotas de circulação e controle de entrada de adultos na escola;
  • Sala de aula com espaço mínimo de um metro entre carteiras;
  • Adaptações e controle de espaços coletivos;
  • Aulas presenciais rotativas/fracionando número de alunos ou conforme orientações legais.
  • Recomenda-se que cada aluno traga um kit diariamente contendo álcool em gel 70%, uma garrafinha para água, máscaras para trocar ao longo do período de aula e lenço de papel.
  • Converse também com seu filho a respeito de alguns comportamentos que serão pontos de atenção como:
  • Se tossir ou espirrar, proteja boca, nariz, com um lenço de papel e depois jogue no lixo;
  • Manter-se hidratado, beber bastante água – levar a própria garrafinha de casa e não compartilhar com os colegas;
  • Lavar as mãos com água e sabão com frequência;
  • Evitar levar as mãos ao rosto, principalmente boca e nariz;
  • Não compartilhar itens de uso pessoal, como materiais escolares;
  • Usar sempre a máscara.

Um ponto delicado, mas que infelizmente merece atenção é com relação ao contato físico com colegas. Explique para seu filho que, por mais difícil que seja, é recomendado que eles evitem abraços, beijos e outros cumprimentos.

No retorno às aulas, o ensino será híbrido.

A tendência é que as escolas adotem o que chamamos de Ensino Híbrido, uma “mistura” entre o presencial na escola e o mediado por mídias digitais para aqueles que ficam em casa com trabalhos remotos.

A dedicação e a intensidade da aprendizagem serão igualmente planejadas por cada equipe pedagógica, e a diferença está apenas no meio que cada aluno acompanhará seu professor. Para que tudo funcione bem, precisamos observar:

  • Rodízio e possível redistribuição dos alunos nas turmas para participação nas aulas presenciais e remotas;
  • Em relação ao rodízio e/ou alternância de horários das turmas, a família deverá cumprir o que for estabelecido. A família deverá estar ciente da possibilidade de a escola não conseguir compatibilizar os horários de irmãos que estudam em turmas/séries diferentes;
  • Caso a família perceba que o aluno não está preparado para aula presencial e/ou não se inclua nas especificidades da Educação Especial ou em grupos de risco, apontados nas recomendações e legislações em vigor, deverão os responsáveis requerer junto à Coordenação Pedagógica a opção de se manter afastado, com atividades em domicílio, em comum acordo com a escola;
  • No retorno, serão realizadas revisões e adequações dos objetivos de aprendizagem do ano letivo de 2020;
  • As escolas devem utilizar diversas ferramentas virtuais para amparar os alunos que permanecerão no ensino remoto.
  • Cuidados com o lado psicológico

Cada família tem vivido esta pandemia de uma maneira. Sabemos que algumas crianças poderão voltar à escola ainda lidando com uma perda de um ente querido e que há famílias passando por problemas financeiros. Situações que podem exigir algum tipo de atenção psicológica para o seu filho.

Portanto, fique atento ao comportamento do seu filho e procure manter uma conversa o mais franca o possível com ele. Ele nem sempre tem filtro para a avalanche de informações que chegam por todos os lados, então qualquer esclarecimento tende a mantê-los mais calmos.  E caso sinta necessidade, não hesite em buscar ajuda especializada.

Bem deu para ver que não são poucos os cuidados para que seu filho volte à escola com segurança. Mas também é uma situação que pode ser contornada, desde que você se mantenha sempre informado.

Então, procure tirar todas as suas dúvidas com a direção da escola ou com especialistas sobre o assunto. E atenção! Tome muito cuidado com informações compartilhadas nas redes sociais ou em grupos de aplicativos de conversas. Antes de tomar qualquer decisão, cheque as fontes dos dados recebidos.

Para ver outras dicas sobre como lidar com a pandemia, do ponto de vista da escola e da família, acompanhe as novidades aqui no blog do Colégio Monteiro Lobato e em nossos perfis no Facebook e no Instagram



Compartilhe

0 comentários

Quer receber
novidades e promoções?

Conecte-se e receba primeiro as
novidades e promoções

WhatsApp Agende sua visita